09 outubro 2010

Amizades Institucionais: o grande constrangimento do Protestantismo

 

Hoje participei de uma iniciativa muito legal. Um grupo de lideres protestantes, gente séria, gente ética, gente boa, estão mobilizando Igrejas e organizaçòes religiossas de cunho protestante pra alcançar objetivos em comum e tbm para aproximar pessoas que trabalham na mesma área.

Eu sempre gostei desse tipo de iniciativa. Serio mesmo!!!! Parece que de alguma forma as pessoas envolvidas na vida eclesiástica estão sempre buscando reencontrar um sentimento de pertença, de unidade, que vem sendo perdido ao longo da História.

Bem, quero analisar esse assunto a partir do fato histórico referente a vida cotidiana das comunidades primitivas de fé. No início das empreitadas de fé de uma comunidade seja na palestina ou na asia menor, ou até mesmo em uma grande cidade mercante do Império Romano, havia a realidade de que havia uma só Igreja. Essa igreja era entendida como pessoas que confessavam a mesma fé e buscavam o mesmo obejtivo. Todos os vínculos de relacionamento estavam pautados em uma mesma base: o que Cristo havia deixado como ensinamento.

Com o advnto da estatização da fé, logo após a morte de Cosntantino, essa comunidade sofre uma perversão e é posta como uma “obrigatoriedade”. O que era comum se torna oficial. Nasce ai o objeto de reflexão desse texto. O cristianismo a aprtir de então traça o limite relacional que agora não era a sã doutrina mas os valores da  Igreja-estado. os que não eram a favor dessa nova ordem agora eram tratados como insensatos e rebeldes.

Veja, a partir desse prisma histórico, trazendo isso para o micro cosmos de uma Igreja local em nossa realidade aqui no Brasil, podemos perceber a mesma dinâmina. Os relacionamentos hoje na Igreja estão masi pautados nos vinculos institucionais do que no valor da revelação do Cristo REssurreto. Hoje encontrar um aamizade é algo raro. Manter uma amizade em uma mudan,a de instituição é quase um milagre.

O encontro de hoje foi uma brisa suave em um coração cauterizado pela crueldade minsiterial eclesiastica protestante. Parece que Deus soprou e está abrindo uma porta….bem, eu cri novamente que será possvel….vou caminhar…vou confiar e Deus…..vou crer pra ver!!!!

Deposi de tantos anos na vida minsiterial, consegui manter alguns amigos preciosos….gente que não está se importando com minhas convicções teologicas ou de vida….gente que aprendeu a gostar de mim..e gente que eu gosto…de graça e pela Graça!!! São poucos, mas eles existem.

Espero que esse novo movimento seja realmente água fresca na vida do protestantismo histórico no Brasil.

Quanto as bagaceiras e trairagem em nome de Deus….(malafaias, macedos e afins), bem, noa estou considerando isso protestantismo….são idiotas que aprenderam a saquear um bando de alienados que não sabem discernir a mao esquerda da direita.

Vou investir no que faz bem rpa alma…em relacionamentos duradouras com gente do bem.

Bem, so um pensanmento!!

 

gf

2 comentários:

pimentel.lfernando disse...

Paz Gerson!
Isto é uma grande realidade, sou de uma igreja histórica também e cada dia mais vejo como isto é real em nossa instituição e fora dela. Realmente a Igreja de Cristo precisa estar unida e ter um só coração, espirito, fé e esperança.

Deus abençoe!

Yuri Steinhoff disse...

Saudade de trocar idéias contigo, queridão!!

Grande abraço!

Quando estiver em Sampa, me dá um toque pow! Aí nos vemos!!

Outro abraço!

O evangelho é relacional... simples assim... Deus é relacional... óbvio assim...